quarta-feira, 17 de outubro de 2018

PROJETO DETERMINA CRITÉRIOS PARA O CREDENCIAMENTO DE AUTOESCOLAS NO ESTADO DO RIO

O Governo do Estado poderá credenciar apenas uma autoescola por região com até 45 mil eleitores. Essa região poderá contar com uma nova autoescola quando atingir outros 20 mil eleitores. É o que determina o projeto de lei 1.271/15, que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou nesta quinta-feira (11/10), em primeira discussão. A Casa ainda votará o texto em segunda discussão.


A proposta estabelece que cidades com número inferior a 45 mil eleitores somente poderão contar com uma autoescola. Ainda segundo o texto, deverá ser mantida uma distância mínima de um raio circular de 500 metros entre cada autoescola.

Também não será permitida a transferência de uma autoescola para um município diferente de onde ela está localizada, com exceção para as cidades que ainda não tiverem esses centros de formação de condutores.

O projeto ressalta que o ensino técnico e prático de direção, bem como a atualização, reciclagem e os cursos de aprimoramento de motoristas somente poderão ser ofertados pelas autoescolas. Esses estabelecimentos poderão oferecer cursos presenciais, semipresenciais ou especiais e deverão ter, no mínimo, duas salas de aula com pelo menos 25 metros quadrados e capazes de receber, ao menos, 15 alunos.

CONTAS DE ÁGUA, LUZ E GÁS NÃO PODERÃO SER COBRADAS SEM MEDIÇÃO POR APARELHOS

As companhias de água, luz e gás poderão ser proibidas de calcular as cobranças aos consumidores por média ou estimativa, sem a leitura por aparelhos medidores. É o que determina o projeto de lei 2.636/17, aprovado pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) nesta terça-feira (16/10), em segunda discussão. A proposta será encaminhada ao governador Luiz Fernando Pezão, que deverá decidir pela sanção ou veto em até 15 dias úteis.Segundo o texto, as concessionárias não poderão realizar estimativas das contas por meio da área e número de cômodos dos imóveis. Os cálculos só poderão ser feitos pela leitura de aparelhos como hidrômetros e relógios. Além disso, a responsabilidade pela troca e conserto desses equipamentos será das empresas, sem custos para o consumidor, desde que não se comprove irregularidade causada pelo usuário.

Alerj

RESTAURANTES E BARES DEVERÃO INFORMAR PAGAMENTO OPCIONAL DE TAXA DE SERVIÇO

Restaurantes, lanchonetes, bares, hotéis e outros estabelecimentos similares deverão informar aos consumidores a porcentagem cobrada de gorjeta, assim como ressaltar que o pagamento desta taxa é optativo. É o que determina o projeto de lei 4.176/18 que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou nesta terça-feira (16/10), em primeira discussão. O texto ainda precisa ser votado em segunda discussão pela Casa.

De acordo com o projeto, a informação deverá estar escrita nos cardápios e nas contas com o termo “opcional” ao lado dos valores da taxa de serviço. Em caso de descumprimento, os infratores poderão arcar com multas de acordo com o Código de Defesa do Consumidor. A norma entrará em vigor em até 90 dias úteis, a partir da data de publicação.

Fonte: Alerj

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Operações prendem 88 suspeitos entre eles 25 PMs

Ministério Público, Polícia Federal e Corregedoria da Polícia Militar cumprem mandados nas cidades de Volta Redonda, Resende e Itatiaia.








O conluio de policiais militares e traficantes do Sul Fluminense e “milhares de reais em propinas”, segundo o MP-RJ, levaram força-tarefa a deflagrar operações para prender 32 PMs do 28º Batalhão, em Volta Redonda.

Ao todo, agentes tentam cumprir cerca de 100 mandados de prisão em três municípios da região nesta terça-feira (16). Traficantes também são procurados.

Segundo as investigações do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do MP, traficantes pagavam propina para que policiais permitissem a livre venda de drogas em Volta Redonda. Os valores variavam de R$ 200 a R$ 1 mil, pagos geralmente a cada semana ou de 15 em 15 dias a grupos de PMs em viaturas. Os militares também recebiam por resgates a criminosos detidos.






          "Os policiais denunciados receberam milhares de reais em propinas, [...], o que justifica o patrimônio ostentado por alguns dos denunciados, [...] incompatível com suas rendas oficialmente declaradas", diz a denúncia.



Os policiais são acusados de associação criminosa armada, corrupção, tráfico de drogas e roubo. As operações foram deflagradas a partir de sete denúncias apresentadas pelo MP-RJ, que envolvem os 32 PMs, 57 traficantes de Volta Redonda (com atuação em diferentes graus de hierarquia, dando origem à Operação Sideros) e 13 traficantes de Itatiaia e Resende (Operação Confinados).




"A ganância dos integrantes desta malta era tão grande, que houve episódios em que alguns dos denunciados detiveram traficantes em flagrante delito na posse de drogas, e ajustaram o pagamento parcelado de propinas para sua liberação", diz uma das denúncias.



"Nestas ocasiões, parte do valor ajustado era quitada à vista, ao que sucedia a devolução dos entorpecentes pelos policiais aos detidos para sua revenda e, com o produto desta mercancia, tornar viável a quitação do saldo remanescente das respectivas propinas", continua o MP.

700 agentes nas ruas

As operações contam com a participação de 700 agentes de segurança e apoio do Batalhão de Choque e do 28º BPM. Participam da operação 310 policiais federais, 38 agentes da Coordenadoria de Segurança e Inteligência do MP-RJ e cerca de 300 policiais da PM.
As ações foram ajuizadas junto ao Juízo da Auditoria Militar, à 2ª Vara Criminal de Volta Redonda e à Vara Única de Itatiaia, que também deferiram mandados de busca e apreensão na residência dos acusados e em celas de presos.

Fonte: G1



segunda-feira, 15 de outubro de 2018

“CANTINHO DO DIREITO”:



PERGUNTA:

Eu era procuradora de um tio junto ao INSS.
Acontece que ele faleceu recentemente, antes de receber o beneficio.
Ele deixou uma conta alta na farmácia e necessitamos do dinheiro do beneficio para pagar o débito.
Tem como resolver o problema?
RESPOSTA:
Sim.
Basta que a senhora procure um advogado, ou, sendo pessoa carente, a defensoria pública, e requerer, à luz da lei 6858/80, Alvara Judicial.
É um procedimento simples, mas será indispensável assistência técnica de um advogado, ou sendo pessoa carente, da Defensoria Pública.
COLABORAÇÃO:
Escritório de Advocacia Vidipó, Oseias, Cassio e Dayana.
Rua Conselheiro Paulino, 95,
Centro Pádua
Telefone: 3.851. 0195.

“CANTINHO DO DIREITO”:



Pergunta:
Desde pequena sou criada pelos meus avós.
Os meus pais são separados e quase não os vejo.
Estou com 16 anos e a minha mãe quer levar-me para estudar no Rio de Janeiro.
Não quero ir, pois já me acostumei com os meus avós e os parentes daqui.
O que posso fazer para permanecer com os meus avós?
Resposta:
Como você já tem 16 anos de idade, o Estatuto da Criança e do Adolescente lhe dá o direito de manifestar a sua vontade.
Assim sendo, com base em seu desejo, e se o juiz entender que o melhor será você continuar com os avós, acredito que determinará que continue com eles.
A melhor opção seria os seus avós ajuizarem ação de guarda, pois, assim, eles estariam regularizando a relação entre vocês.
Como sempre sugerimos, o diálogo ainda é a melhor opção para evitar conflitos e demandas judiciais.
COLABORAÇÃO:
Escritório de Advocacia Vidipó, Oseias, Cassio e Dayana.
Rua Conselheiro Paulino, 95,
Centro Pádua
Telefone: 3.851. 0195.


HISTÓRIA DA CIDADE DE SANTO ANTONIO DE PADÚA-RJ






Primitivamente, o território do atual município pertenceu aos índios das tribos dos Puris e Coroados. No séc. XVIII, o frade Fernando de Santo Antônio, começou as suas andanças pelo Rio Paraíba do Sul e conseguiu que lhe fossem doadas algumas sesmarias nas margens do Rio Pomba. Tendo como objetivo  pacificar as tribos, não teve sucesso, devido as constantes lutas. Mas o Frei encontrou alguém que pudesse realizar a sua obra. O frade Antônio Martins Vieira, erigindo, inicialmente (séc. XIX) uma capela sob a inovação de Santo Antônio de Pádua, nas proximidades do Rio Pomba, em torno da qual foi reunindo famílias indígenas já pacificadas por seu antecessor. Alguns anos depois com o progresso da povoação, sua capela, em 24 de Novembro de 1824, foi elevada a categoria de curato, pelo Bispo Dom Joaquim da Silva Coutinho.
Continuando o desenvolvimento do curato, situado nos sertões dos Puris ou do Pomba, recebeu o predicamento de freguesia pela lei nº 296, de 1º de Junho de 1843. Em 19 de Abril de 1850, São Fidélis é elevado à vila, ficando sob jurisdição a Freguesia de Santo Antônio de Pádua. Esta continua em franco progresso devido às suas atividades agrícolas. Devido a esse progresso, em 02 de Janeiro de 1882, o governo da Província, sancionando os desejos de seus habitantes, emancipou-se de São Fidélis, elevando-a à categoria de Vila. Instala-se a Vila, em 26 de Fevereiro de 1883. A situação econômica municipal continua crescendo, mas sofre abalos durante a Lei Áurea e a imprevidência dos senhores de terras e engenhos. Pelo decreto nº 17 de 27 de Novembro de 1889, a sede é elevada à categoria de cidade. As grandes lavouras vão desaparecendo, dando lugares pequenas culturas por falta de braços. Mas com o tempo o município vai se recuperando e atualmente possui um comércio florescente, principalmente nos setores da agricultura e pecuária


terça-feira, 9 de outubro de 2018

Arena Serpal vai está realizando uma grande festa para a criançada nesta sexta-feira 12 tudo liberado.

Galera a Arena Serpal vai está realizando uma grande festa para a criançada nesta sexta-feira. Leve seus filhos, vai ter pipoca, cachorro quente, brinquedos e muito mais !

Av. Hamilton Abreu Leite, Bairro Cidade Nova - em frente a casa de material de construção SERPAL. A partir das 09:00hs.

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Deputados estaduais eleitos no RJ; veja lista Foram eleitos 70 parlamentares para a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Rodrigo Amorim foi o mais votado; ele é do partido com maior número de eleitos, o PSL, de Jair Bolsonaro.

Confira abaixo a lista completa



         



  • Rodrigo Amorim (PSL): 140.666 votos
  • Marcio Canella (MDB): 110.167
  • Alana Passos (PSL): 106.253
  • Alexandre Knopoloch (PSL): 103.639
  • Coronel Salema (PSL): 99.459
  • Samuel Malafaia (DEM): 83.784
  • André Corrêa (DEM): 66.881
  • Lucinha (PSDB): 65.735
  • Renata Souza (PSOL): 63.937
  • Danniel Librelon (PRB): 63.767
  • Rosenverg Reis (MDB): 63.450
  • Flavio Serafini (PSOL): 61.754
  • Max (MDB): 59.672
  • Delegado Carlos Augusto (PSD): 56.969
  • Tia Ju (PRB): 56.766
  • Rosane Felix (PSD): 53.644
  • Carlos Macedo (PRB): 53.397
  • Gustavo Tutuca (MDB): 49.952
  • Luiz Paulo (PSDB): 49.012
  • Delegada Martha Rocha (PDT): 48.949
  • Zeidan (PT): 48.807
  • Marcio Pacheco (PSC): 48.317
  • André Ceciliano (PT): 46.893
  • Thiago Pampolha (PDT): 46.137
  • Franciane Motta (MDB): 45.123
  • Jorge Felippe Neto (PSD): 43.099
  • Dionisio Lins (PP): 40.910
  • Mônica Francisco (PSOL): 40.631
  • Anderson Moraes (PSL): 40.540
  • Filipe Soares (DEM): 40.308
  • Luiz Martins (PDT): 38.449
  • Carlos Minc (PSB): 38.416
  • Fabio Silva (DEM): 36.820
  • Dr Deodalto (DEM): 35.991
  • Gustavo Schmidt (PSL): 34.869
  • Eliomar Coelho (PSOL): 34.836
  • Renato Cozzolino (PRP): 33.597
  • Vandro Familia (Solidariedade): 33.315
  • Enfermeira Rejane (PC do B): 33.003
  • Jair Bittencourt (PP): 32.656
  • Carlo Caiado (DEM): 32.435
  • Welberth Rezende (PPS): 31.725
  • Renato Zaca (PSL): 31.627
  • Marcos Muller (PHS): 31.512
  • Waldeck Carneiro (PT): 31.358
  • Marcus Vinícius - Neskau (PTB): 30.454
  • Gil Vianna (PSL): 28.636
  • Dani Monteiro (PSOL): 27.982
  • Filippe Poubel (PSL): 27.832
  • Doutor Serginho (PSL): 26.906
  • Pedro Brazão (PR): 26.846
  • Chicão Bulhões (Novo): 26.335
  • Rodrigo Bacellar (Solidariedade): 26.135
  • Bebeto Tetra (Pode): 25.917
  • Marcelo do Seu Dino (PSL): 25.497
  • Anderson Alexandre (Solidariedade): 25.384
  • Val Ceasa (Patriota): 25.259
  • Bruno Dauaire (PRP): 24.800
  • Marcos Abrahão (Avante): 24.261
  • João Peixoto (DC): 23.951
  • Valdecy da Saúde (PHS): 23.307
  • Márcio Gualberto (PSL): 23.169
  • Chiquinho da Mangueira (PSC): 22.141
  • Pedro Ricardo (PSL): 22.006
  • Léo Vieira (PRTB): 20.751
  • Alexandre Freitas (Novo): 20.234
  • Marcelo Cabeleireiro (DC): 18.003
  • Sub Tenente Bernardo (PROS): 16.855
  • Giovani Ratinho (PTC): 13.234
  • Marina (PMB): 12.294

Mesmo com votação miserável Jean Wyllys se elege deputado federal no RJ

É #FAKE  que Jean Wyllys  não foi reeleito deputado federal no  RJ,mas foi vergonhoso seus votos.



Post compartilhado nas redes sociais diz que Wyllys, do PSOL-RJ, não foi reeleito deputado federal no Rio de Janeiro. A mensagem é falsa. Wyllys foi eleito com 24.295 votos.


Ao contrário do que se previa Jean Wyllys foi eleito com uma quantidade miserável de votos, puxado por Marcelo Freixo.
Consequência do nosso sistema político bizarro. O ex-bbb se elegeu no RJ com uma votação ínfima de 24.295 que correspondem a 0,31 dos votos válidos.
A medíocre votação de Jean é, de qualquer forma, uma demonstração da força do capitão.
Em 2014, Jean obteve 144 mil votos. Uma queda, portanto, de 120 mil votos.
Sai derrotado.

Os eleitores definiram neste domingo (7.out.2018) a nova composição da Câmara Federal a partir de 2019.


A composição completa depende do fim da apuração dos votos em todos os Estados. Eis os deputados eleitos:
Acre:
Mara Rocha (PSDB)
Jéssica Sales (MDB)
Alan Rick (DEM)
Dra. Vanda Milani (SD)
Flaviano Melo (MDB)
Perpetua Almeida (PC do B)
Jesus Sérgio (PDT)
Pastor Manuel Marcos (PRB)
Alagoas:
JHC (PSB)
Arthur Lira (PP)
Marx Beltrão (PSD)
Sério Toledo (PR)
Nivaldo Albuquerque (PTB)
Isnaldo Bulhões (MDB)
Severino Pessôa (PRB)
Paulão (PT)
Amapá:
Camilo Capiberibe (PSB)
Acácio Favacho (Pros)
Vinícius (PR)
Aline Gurgel (PRB)
Professora Marcivania (PC do B)
Luiz Carlos (PSDB)
Andre Abdon (PP)
Leda Sadala (Avante)
Amazonas:
Delegado Pablo (PSL)
Atila Lins (PP)
Silas Câmara (PRB)
Capitão Alberto Neto (PRB)
Marcelo Ramos (PR)
Sidney Leite (PSD)
Bosco Saraiva (SD)
Bahia:
Pastor Sargento Isidório (Avante)
Otto Alencar Filho (PSD)
Bacelar (Podemos)
Prof. Dayane Pimentel (PSL)
Jorge Solla (PT)
Afonso Florence (PT)
Zé Neto (PT)
Antônio Brito (PSD)
Alice Portugal (PCdoB)
Caetano (PT)
Waldenor Pereira (PT)
Valmir Assunção (PT)
Ronaldo Carleto (PP)
Josias Gomes (PT)
Marcelo Nilo (PSB)
Daniel Almeida (PCdoB)
Cacá Leão (PP)
Sérgio Brito (PV)
Lídice da Mata (PSB)
Claudio Cajado (PP)
Elmar (DEM)
Adolfo Viana (PSDB)
Mário Negromonte Jr. (PP)
Pelegrino (PT)
José Nunes (PSD)
Marcio Marinho (PRB)
Felix Mendonça (PDT)
Arthur Maia (DEM)
João Bacelar (PR)
João Roma (PRB)
Paulo Azi (DEM)
José Rocha (PR)
Leur Lomanto Jr (DEM)
Uldurico Júnior (PPL)
Alex Santana (PDT)
Igor Kannário (PHS)
Pastor Abílio Santana (PHS)
Tito (Avante) Raimundo Costa (PRP)
Ceará:
Capitão Wagner (Pros)
Celio Studart (PV)
Luizianne (PT)
Guimaraes (PT)
Mauro Filho (PDT)
Idilvan (PDT)
Aj Albuquerque (PP)
Robério Monteiro (PDT)
Moses Rodrigues (MDB)
Pedro Bezerra (PTB)
Genecias Noronha (SD)
Domingos Neto (PSD)
Denis Bezerra (PSB)
André Figueiredo (PDT)
Roberto Pessoa (PSDB)
Leonidas Cristino (PDT)
Heitor Freire (PSL)
Eduardo Bismarck (PDT)
Jose Airton (PT)
Júnior Mano (Patriota)
Dr.jaziel (PR)
Vaidon Oliveira (Pros)
Distrito Federal:
Flavia Arruda (PR)
Erika Kokay (PT)
Bia Kicis (PRP)
Julio Cesar (PRB)
Professor Israel (PV)
Luis Miranda (DEM)
Paula Belmonte (PPS)
Celina Leão (PP)
Espirito Santo:
Amaro Neto (PRB)
Felipe Rigoni (PSB)
Da Vitoria (PPS)
Helder Salomão (PT)
Sergio Vidigal (PDT)
Dra. Soraya Manato (PSL)
Norma Ayub (DEM)
Foletto (PSB)
Lauriete (PR)
Evair de Melo (PP)
Goiás:
Delegado Waldir (PSL)
Flavia Morais (PDT)
Dr. Zacarias Calil (DEM)
Francisco Jr. (PSD)
João Campos (PRB)
Glaustin da Fokus (PSC)
Zé Mario (DEM)
Magda Mofatto (PR)
Professor Alcides (PP)
Rubens Otoni (PT)
Lucas Vergílio (SD)
Adriano Baldy (PP)
Elias Vaz (PSB)
Célio Silveira (PSDB)
Alcides Rodrigues (PRP)
José Nelto (Podemos)
Major Vitor Hugo (PSL)
Maranhão:
Márcio Jerry (PCdoB)
Pedro Lucas Fernandes (PTB)
Rubens Junior (PCdoB)
Cleber Verde (PRB)
Bira do Pindaré (PSB)
Juscelino Filho (DEM)
Josimar de Maranhãozinho (PR)
Junior Lourenço (PR)
André Fufuca (PP)
Junior Marreca Filho (Patriota)
Gil Cutrim (PDT)
Edilazio (PSD)
Hildo Rocha (MDB)
João Marcelo (MDB)
Eduardo Braide (PMN)
Pastor Gildenemyr (PMN)
Aluisio Mendes (Podemos)
Mato Grosso:
Nelson Barbudo (PSL)
Jose Medeiros (Podemos)
Emanuelzinho (PTB)
Neri Geller (PP)
Carlos Bezerra (MDB)
Dr. Leonardo (SD)
Professora Rosa Neide (PT)
Juarez Costa (MDB)
Mato Grosso do Sul:
Rose Modesto (PSDB)
Fabio Trad (PSD)
Beto Pereira (PSDB)
Tereza Cristina (DEM)
Tio Trutis (PSL)
Vander Loubet (PT)
Dr. Luiz Ovando (PSL)
Dagoberto (PDT)
Minas Gerais:
Marcelo Alvaro Antonio (PSL)
Reginaldo Lopes (PT)
Andre Janones (Avante)
Paulo Guedes (PT)
Aurea Carolina (PSOL)
Gilberto Abramo (PRB)
Cabo Junio Amaral (PSL)
Eros Biondini (PROS)
Weliton Prado (PROS)
Rogério Correia (PT)
Padre João (PT)
Misael Varella (PSD)
Rodrigo de Castro (PSDB)
Hercílio Coelho
Diniz (MDB)
Stefano Aguiar (PSD)
Patrus Ananias (PT)
Zé Silva (SD)
Aécio Neves (PSDB)
Lincoln Portela (PR)
Eduardo Barbosa (PSDB)
Diego Andrade (PSD)
Emidinho Madeira (PSB)
Marcelo Aro (PHS)
Lafayette Andrada (PRB)
Pinheirinho (PP)
Subtenente Gonzaga (PDT)
Margarida Salomão (PT)
Odair Cunha (PT)
Dr. Mário Heringer (PDT)
Bilac Pinto (DEM)
Fred Costa (Patriota)
Domingos Sávio (PSDB)
Paulo Abi Ackel (PSDB)
Dimas Fabiano (PP)
Tiago Mitraud (Novo)
Newton Cardoso Jr (MDB)
Vilson da Fetaemg (PSB)
Leonardo Monteiro (PT)
Lucas Gonzalez (Novo)
Doutor Frederico (Patriota)
Igor Timo (Podemos)
Euclydes Pettersen (PSC)
Julio Delgado (PSB)
Delegado Marcelo Freitas (PSL)
Franco Catarfina (PHS)
Charles Evangelista (PSL)
Léo Mota (PSL)
Luis Tibe (Avante)
Alê Silva (PSL)
Greyce Elias (Avante)
Zé Vitor (PMN)
Pará:
Edmilson Rodrigues (Psol)
Cristiano Vale (PR)
Elcione (MDB)
Vavá Martins (PRB)
Priante (MDB)
Nilson Pinto (PSDB)
Júnior Ferrari (PSD)
Celso Sabino (PSDB)
Delegado Éder Mauro (PSD)
Beto Faro (PT)
Olival Marques (DEM)
Cássio Andrade (PSB)
Airton Faleiro (PT)
Hélio Leite (DEM)
Paulo Bengtson (PTB)
Joaquim Passarinho (PSD)
Eduardo Costa (PTB)
Paraíba:
Gervásio Maia (PSB)
Aguinaldo Ribeiro (PP)
Wellington Roberto (PR)
Dr Damião (PDT)
Hugo (PRB)
Frei Anastacio (PT)
Wilson Santiago (PTB)
Pedro Cunha Lima (PSDB)
Efraim Filho (DEM)
Julian Lemos (PSL)
Edna Henrique (PSDB)
Ruy Carneiro (PSDB)
Paraná:
Sargento Fahur (PSD)
Felipe Francischini (PSL)
Gleisi Lula Hoffmann (PT)
Luizão Goulart (PRB)
Sandro Alex (PSD)
Leandre (PV)
Paulo Martins (PSC)
Gustavo Fruet (PDT)
Giacobo (PR)
Hermes Frangão Parcianello (MDB)
Christiane Yared (PR)
Diego Garcia (Podemos)
Luciano Ducci (PSB)
Aliel Machado (PSB)
Sérgio Souza (MDB)
Ney Leprevost (PSD)
Pedro Lupion (DEM)
Luisa Canziani (PTB)
Boca Aberta (Pros)
Ricardo Barros (PP)
Zeca Dirceu (PT)
Rubens Buenos (PPS)
Schiavinato (PP)
Filipe Barros (PSL)
Luiz Nishimori (PR)
Toninho Wandscheer (Pros)
Vermelho (PSD)
Enio Verri (PT)
Aroldo Martins (PRB)
Aline Sleutjes (PSL)
Pernambuco:
João Campos (PSB)
Marília Arraes (PT)
Andre Ferreira (PSC)
Sebastião Oliveira (PR)
Pastor Eurico (Patriota)
Andre de Paula (PSD)
Luciano Bivar (PSL)
Felipe Carreras (PSB)
Eduardo da Fonte (PP)
Silvio Costa Filho (PRB)
Daniel Coelho (PPS)
Fernando Filho (DEM)
Danilo Cabral (PSB)
Raul Henry (MDB)
Wolney Queiroz (PDT)
Fernando Monteiro (PP)
Gonzaga Patriota (PSB)
Augusto Coutinho (SD)
Túlio Gadêlha (PDT)
Ricardo Teobaldo (Podemos)
Carlos Veras (PT)
Bispo Ossesio (PRB)
Renildo Calheiros (PC do B)
Tadeu Alencar (PSB)
Fernando Rodolfo (PHS)
Piauí:
Rejane Dias (PT)
Capitão Fábio Abreu (PR)
Assis Carvalho (PT)
Flavio Nogueira (PDT)
Júlio Cesar (PSD)
Iracema Portella (PP)
Margarete Coelho (PP)
Marcos Aurelio Sampaio (MDB)
Dra. Marina (PTC)
Átila Lira (PSB)
Rio de Janeiro:
Helio Fernando Barbosa Lopes (PSL)
Marcelo Freixo (Psol)
Alessandro Molon (PSB)
Carlos Jordy (PSL)
Flordelis (PSD)
Daniela do Waguinho (MDB)
Otoni de Paula (PSC)
Luiz Lima (PSL)
Talíria Petrone (Psol)
Delegado Antônio Furtado (PSL)
Dr. Luizinho (PP)
Sóstenes (DEM)
Rodrigo Maia (DEM)
Jandira Feghali (PC do B)
Aureo (SD)
Wagner Montes (PRB)
Rosangela Gomes (PRB)
Hugo Leal (PSD)
Sargento Gurgel (PSL)
Vinícius Farah (MDB)
Major Fabiana (PSL)
Pedro Paulo (DEM)
Altineu Cortes (PR)
Gutemberg Reis (MDB)
Paulo Ganime (Novo)
Marcelo Calero (PPS)
Luiz Antônio (DC)
Soraya Santos (PR)
Christino Aureo (PP)
Felício Laterça (PSL)
Márcio Labre (PSL)
Juninho do Pneu (DEM)
Benedita da Silva (PT)
Lourival Gomes (PSL)
Glauber Braga (Psol)
Wladimir Garotinho (PRP)
Chris Tonietto (PSL)
Alexandre Serfiotis (PSD)
Clarissa Garotinho (Pros)
Professor Joziel (PSL)
Daniel Silveira (PSL)
Gelson Azevedo (PHS)
Chico D’Angelo (PDT)
Chiquinho Brazão (Avante)
Paulo Ramos (PDT)
Jean Wyllys (Psol)
Rio Grande do Norte:
Benes Leocadio (PTC)
Natalia Bonavides (PT)
Mineiro (PT)
João Maia (PR)
Rafael Motta (PSB)
General Girao (PSL)
Walter Alves (MDB)
Fábio Faria (PSD)
Rio Grande do Sul:
Marcel Van Hatten (Novo)
Onyx Lorenzoni (DEM)
Giovani Cherini (PR)
Paulo Pimenta (PT)
Marcon (PT)
Marlon Santos (PDT)
Lucas Redecker (PSDB)
Fernanda Melchionna (Psol)
Heitor Schuch (PSB)
Henrique Fontana (PT)
Carlos Gomes (PRB)
Bohn Gass (PT)
Danrlei de Deus Goleiro (PSD)
Covatti Filho (PP)
Márcio Biolchi (MDB)
Alceu Moreira (MDB)
Afonso Hamm (PP)
Mária do Rosário (PT)
Pedro Westphalen (PP)
Giovani Feltes (MDB)
Bibo Nunes (PSL)
Jerônio Goergen (PP)
Sanderson Federal (PSL)
Osmar Terra (MDB)
Maurício Dziedricki (PTB)
Pompeo de Mattos (PDT)
Daniel da TV (PSDB)
Marcelo Moraes (PTB)
Afonso Motta (PDT)
Liziane Bayer (PSB)
Nereu Crispin (PSL)
Rondônia:
Léo Moraes (Podemos)
Expedito Netto (PSD)
Mariana Carvalho (PSDB)
Lucio Mosquini (MDB)
Jaqueline Cassol (PP)
Silvia Cristina (PDT)
Dr. Mauro Nazif (PSB)
Coronel Chrisóstomo (PSL)
Roraima:
Haroldo Cathedral (PSD)
Jhonatan de Jesus (PRB)
Dr. Hiran Gonçalves (PP)
Nicoletti (PSL)
Shéridan (PSDB)
Edio Lopes (PR)
Otaci (SD)
Joenia Wapichana (Rede)
Santa Catarina:
Hélio Costa (PRB)
Daniel Freitas (PSL)
Professor Pedro Uczai (PT)
Caroline de Toni (PSL)
Geovania de Sá (PSDB)
Carlos Chiodini (MDB)
Fabio Schiochet (PSL)
Angela Amin (PP)
Carmen Zanotto (PPS)
Celso Maldaner (MDB)
Peninha (MDB)
Darci de Matos (PSD)
Ricardo Guidi (PSD)
Coronel Armando (PSL)
Rodrigo Coelho (PSB)
Gilson Marques (Novo)
São Paulo:
Eduardo Bolsonaro (PSL)
Joice Hasselmann (PSL)
Celso Russomanno (PRB)
Kim Kataguiri (DEM)
Tiririca (PR)
Tabata Amaral (PDT)
Policial Katia Sastre (PR)
Sâmia Bomfim (Psol)
Capitão Augusto (PR)
Pastor Marco Feliciano (Podemos)
Baleia Rossi (MDB)
Vinicius Poit (Novo)
Luiza Erundina (Psol)
Renata Abreu (Podemos)
Rui Falcão (PT)
Alexandre Frota (PSL)
Ivan Valente (Psol)
Marcos Pereira (PRB)
Carlos Zarattini (PT)
Marco Bertaiolli (PSD)
Marcio Alvino (PR)
Guilherme Mussi (PP)
Arnaldo Jardim (PPS)
Alex Manente (PPS)
Bruna Furlan (PSDB)
Carlos Sampaio (PSDB)
Nilto Tatto (PT)
Ricardo Izar (PP)
Vitor Lippi (PSDB)
Tenente Derrite (PP)
Cezinha de Madureira (PSD)
Fausto Pinato (PP)
Luiz Philippe O. Bragança (PSL)
Alexandre Leite (DEM)
Paulo Freire Costa (PR)
Enrico Misasi (PV)
Rosana Valle (PSB)
Samuel Moreira (PSDB)
Vanderlei Macris (PSDB)
Rodrigo Agostinho (PSB)
Jefferson Campos (PSB)
David Soares (DEM)
Coronel Tadeu (PSL)
Vinicius Carvalho (PRB)
Eduardo Cury (PSDB)
Miguel Lombardi (PR)
Eli Corrêa Filho (DEM)
Gilberto Nascimento (PSC)
Geninho Zuliani (DEM)
Alexandre Padilha (PT)
Arlindo Chinaglia (PT)
Professor Luiz Flavio Gomes (PSB)
Roberto Alves (PRB)
Junior Bozzella (PSL)
Paulo Teixeira (PT)
Milton Vieira (PRB)
Carla Zambelli (PSL)
Paulinho da Força (SD)
Luiz Carlos Motta (PR)
General Peternelli (PSL)
Maria Rosas (PRB)
Vicentinho (PT)
Abou Anni (PSL)
Alencar Santana (PT)
Orlando Silva (PC do B)
Adriana Ventura (Novo)
Roberto de Lucena (Podemos)
Herculano Passos (MDB)
Alexis (Novo)
Guiga Peixoto (PSL)
Sergipe:
Fábio Mitidieri (PSD)
Laercio Oliveira (PP)
Fabio Reis (MDB)
Gustinho Ribeiro (SD)
João Daniel (PT)
Bosco Costa (PR)
Valdevan Noventa (PSC)
Fábio Henrique (PDT)
Tocantins:
Tiago Dimas (SD)
Osires Damaso (PSC)
Vicentinho Junior (PR)
Eli Borges (SD)
Carlos Henrique Gaguim (DEM)
Professora Dorinha (DEM)
Dulce Miranda (MDB)
Celio Moura (PT